História da Arte Realista

História da Arte Realista

A ARTE DO REALISMO EM VÁRIAS FORMAS DE TRADUZI-LA

Antes do Realismo, os temas se limitavam a fatos do mundo moderno; os artistas conseguiram reproduzir perfeitamente o que viam, mas sempre à forma da idealização e teatralidade. Agora eles se preocupavam em fazer uma imitação precisa de percepções visuais sem alterações.

Sobriedade, camponeses e classe trabalhadora urbana ao invés de deuses, deusas e heróis da antiguidade; o que era real mesmo e palpável.

Entre 1850 e 1900 surge nas artes européias, sobretudo na pintura francesa, uma nova tendência estética que se desenvolveu ao lado da crescente industrialização das sociedades. O homem europeu, que tinha aprendido a utilizar o conhecimento científico e a técnica para interpretar e dominar a natureza, convenceu-se de que precisava ser realista, inclusive em suas criações artísticas, deixando de lado as visões subjetivas e emotivas da realidade.

São características gerais:
* o cientificismo
* a valorização do objeto
* o sóbrio e o minucioso
* a expressão da realidade e dos aspectos descritivos

 

ARQUITETURA
 

Os arquitetos e engenheiros procuram responder adequadamente às novas necessidades urbanas, criadas pela industrialização. As cidades não exigem mais ricos palácios e templos. Elas precisam de fábricas, estações, ferroviárias, armazéns, lojas, bibliotecas, escolas, hospitais e moradias, tanto para os operários quanto para a nova burguesia. Em 1889, Gustavo Eiffel levanta, em Paris, a Torre Eiffel, hoje logotipo da “Cidade Luz”.

 

 

PINTURA

Características da pintura:

* Representação da realidade com a mesma objetividade com que um cientista estuda um fenômeno da natureza, ou seja o pintor buscava representar o mundo de maneira documental;

* Ao artista não cabe “melhorar” artisticamente a natureza, pois a beleza está na realidade tal qual ela é;

* Revelação dos aspectos mais característicos e expressivos da realidade.
Temas da pintura:

* Politização: a arte passa a ser um meio para denunciar uma ordem social que consideram injusta; a arte manifesta um protesto em favor dos oprimidos.

* Pintura social denunciando as injustiças e as imensas desigualdades entre a miséria dos trabalhadores e a opulência da burguesia. As pessoas das classes menos favorecidas – o povo, em resumo – tornaram-se assunto freqüente da pintura realista. Os artistas incorporavam a rudeza, a vulgaridade dos tipos que pintavam, elevando esses tipos à categoria de heróis. Heróis que nada têm a ver com os idealizados heróis da pintura romântica.

Artistas:

Daumier – foi o precurssor da pintura realista.

Courbet – foi considerado o criador do realismo social na pintura, pois procurou retratar em suas telas temas da vida cotidiana, principalmente das classes populares.

Auto-retrato do artista

 

Manifesta sua simpatia particular pelos trabalhadores e pelos homens mais pobres da sociedade no século XIX.

Courbet – coisas reais, concretas e existentes. “Nunca vi anjos, se me mostrarem um, eu pinto”. Tela: “Enterro em Ornans” – sobre gente comum. É a primeira vez que um tema tão comum é retratado como “obra de arte” – essa tela tem cerca de 6m. Antes, nessas proporções, apenas cenas heróicas e mitológicas eram retratadas.

Jean-François Millet, sensível observador da vida campestre, criou uma obra realista na qual o principal elemento é a ligação do homem com a terra.

“As Respigadeiras”

 

 

Releitura de “As respigadeiras” achada na Internet.
E faz sentido…o novo nome poderia ser “As catadoras de latinhas”…

Foi educado num meio de profunda religiosidade e respeito pela natureza. Trabalhou na lavoura desde muito cedo.

 

Seus numerosos desenhos de paisagens influenciaram, mais tarde, Pissarro e Van Gogh.

 

Rosa Bonheur – mulher artista, a frente de sua época. Pintava os animais como principal tema.

Fotografia da artista. Dissecava animais para conhecê-los anatomicamente e fumava quando era impróprio para as moças da época, morava com uma amiga e certa vez conseguiu uma autorizaçao policial para poder usar calças compridas.

Camille Corot – Montou a Escola de Barbizon, onde eram influenciados por Constable para pintar paisagens.

 

Suas telas tornaram-se tão populares que foram as mais falsificadas no mundo inteiro.

 

Eakins – era sistemático e queria retratar a realidade tal como ela é, sem idealizações. Teve um estudo tão grande em anatomia que chegou a dar aulas para alunos de Medicina.

 

Foi também o primeiro artista a incluir na arte pessoas discriminadas na época, como mulheres e os negros.

 

Homer – aquarelista, pintor de paisagens marinhas.

 

Antes dele, as paisagens só serviam como esboço para a pintura. Ele valorizou-a e transformou em obra de arte.

Harnett – natureza-morta. Fazia os objetos de forma tão real, que em alguns bares os garçons ganhavam dinheiro de apostas de clientes que tocavam no quadro e duvidar ser uma pintura.

Certa vez o sindicato do Tesouro do país quis advertí-lo por falsificação por ter pintado notas de dólar tão perfeitamente.

ESCULTURA

Auguste Rodin – não se preocupou com a idealização da realidade. Ao contrário, procurou recriar os seres tais como eles são.

 

Além disso, os escultores preferiam os temas contemporâneos, assumindo muitas vezes uma intenção política em suas obras. Sua característica principal é a fixação do momento significativo de um gesto humano.

 

Camille Claudel – modelo, aprendiz e amante de Rodin. Suas obras são mais suaves e menos eróticas.

 

 

Share this post

Comments (6)

  • Mardone Reply

    Gostei muito de sua arte, apesar de eu pintar artes abstratas.

    outubro 13, 2013 at 6:02 pm
    • Maurício Fortunato Araújo Reply

      Obrigado. Fico muito grato com seu elogio. Seja muito bem vindo ao meu blog.

      By Maurício Fortunato Araújo

      outubro 14, 2013 at 2:42 pm
  • Carlos Damasceno Reply

    Olá, Maurício

    Também sou amante do desenho realista e gostei muito desse artigo sobre a sua origem. Também admiro o seu trabalho.

    Um abraço.

    janeiro 9, 2014 at 2:03 pm
    • Maurício Fortunato Araújo Reply

      Obrigado Carlos. Fico super grato com seu elogio e admiração.

      Bem vindo ao meu blog.

      A arte vale apena pela arte independente de como ela é feita.

      By Maurício Fortunato Araújo

      janeiro 17, 2014 at 12:59 am
  • paulo cristovao Reply

    vc e um verdadeiro artista, esta de parabens ,estou treinando sombreado pois e muito dificio ,e aonde eu mais me atrapalho,abraço ,se vc tiver alguma dica eu agradeço ….

    fevereiro 16, 2014 at 9:02 pm
  • Vanice Silva Acosta Reply

    Parabéns você é um grande artista,te admiro muito…

    março 25, 2014 at 11:14 am

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


%d blogueiros gostam disto: