A Pintura Brasileira

A Pintura Brasileira

A Pintura Brasileira

1. Antes do Descobrimento

A ocupação humana do imenso território que hoje constituem o Brasil era, até começos da década de 1970, tradicionalmente aceita como não recuando a mais de 10.000 anos. Pode em verdade ter ocorrido em época muitíssimo anterior, a serem corretas as conclusões a que têm chegado há tempos recente as arqueólogas Maria da Conceição Beltrão em escavações realizadas na Bahia em 1987. E Niede Guidon dois anos mais tarde, em pesquisas de campo levadas a efeito no Piauí. Essa última pesquisadora após ter estudado o sítio arqueológico piauiense de São Raimundo Nonato, sustentou ter sido o mesmo frequentado por homens pré-históricos desde há 50.000 anos, no mínimo.Mas essa sua assertiva está longe de ser pacificamente aceita por muito estudioso norte e sul-americanos do passado das Américas.

Entre todos os capítulos da Arqueologia Brasileira ainda tão pouco conhecida, um dos mais importantes e relativamente mais estudados é sem dúvida o da chamada arte rupestre. Ela já vinha espicaçando a curiosidade de bom número de amadores, mas de poucos profissionais nacionais e, sobretudo estrangeiros. Isso pelo menos desde começos do Séc. XIX, embora a ela já se
refiram autores quinhentistas ou seiscentistas como Ambrósio Fernandes Brandãoe Barleus. O estudo científico só tomaria impulso neste campo, na segunda metade do nosso próprio século, depois que, em 1950, Paulo Duarte fez vir ao Brasil a célebre especialista francesa Annette Laming Emperaire.

Principalmente da década de 1980 e após o fim do regime militar, diversas missões científicas francesas têm atuado em São Paulo, Mato Grosso, Minas Gerais e no Nordeste, dirigidas por pesquisadores como Anne Marie Pessis (1984, Piauí), Niede Guidon (1989, Piauí), Gabriela Martin (1989, Nordeste), Denis e Agueda Vilhena Vialou (1992, São Paulo e Mato Grosso) e André Prous (1992, Minas Gerais). Após vencidas não poucas dificuldadesm realizaram significativo levantamento de incisões e pinturas pré-históricas, descobertas em diferentes recantos do nosso país, assim contribuindo para o estabelecimento futuro de um corpus da pintura pré-histórica brasileira. Ressalte-se que a maior preocupação dos arqueólogos que têm estudado nossa arte rupestre diz respeito às pinturas, muito mais que aos petroglifos.

Regra geral, só uma cor era empregada na elaboração de cada pintura rupestre. Utilizavam-se pigmentos minerais como o óxido de ferro para o vermelho, que era as cores mais difundidas ou vegetais (urucum, genipapo, carvão), por vezes mescladas a resinas vegetais. Há coexistência, por vezes numa única pintura, de formas geométricas, abstratas. Outras vezes, de
formas figurativas de homens e de animais, o que poderia segundo alguns estudiosos corresponder à antiquíssima divisão entre trabalho feminino e trabalho masculino. Às mulheres se atribuiu desde sempre a função de produzir cestas, têxteis e cerâmicas, atividades nas quais a forma e principalmente a decoração são obtidas pelo emprego de padrões estilizados repetitivos. Elas podem ter sido as responsáveis por esses pontos e círculos, losangos, cruzes e lancetas que ocorrem em tantas pinturas rupestres brasileiras. Já os homens, caçadores por índole, e por isso mesmo obrigado a conhecer com precisão a aparência de cada animal, terão sido os autores das formas orgânicas e das representações naturalistas.

Com exceção do litoral, pode-se dizer que todas as regiões do território brasileiro ainda hoje conservam numerosos exemplos de arte rupestre, a despeito das depredações ocorridas nas últimas décadas, motivadas geralmente por interesses econômicos. Existem no entanto regiões que hoje nos apresentam acervos rupestres mais ricos. Isso talvez apenas signifique que nessas regiões as pesquisas começaram há mais tempo e com melhores recursos. Assim, entre os principais sítios arqueológicos brasileiros possuidores de importante acervo de pinturas rupestres devem ser citados São Raimundo Nonato e Sete Cidades, no Piauí; o Vale do Seridó, no Rio Grande do Norte; a Pedra do Ingá, não longe de Campina Grande, na Paraíba; a PedraFurada, n o Município de Venturosa, em Pernambuco; numerosíssimas cavernas distribuídas pelos municípios de Lençois, Morro do Chapeu, Montalvânia e outros, na Bahia; Serranópolis e Caiapônia, em Goiás; Lagoa Santa e Januária, em Minas Gerais e Canhemborá e Pedra Grande, no Rio Grande do Sul.

Piauí. São Raimundo Nonato, com suas numerosas tocas ocupadas por homens pré-históricos entre pelo menos 17.000 e 5.000 anos atrás – Toca do Paraguaio, do Boqueirão da Pedra Furada, do Baixão das Europas, da Chapada da Cruz etc, foi o foco de irradiação do que os especialistas chamam de “Tradição Nordeste”, caracterizada por abundantes cenas de caça a tatus, veados e onças, estas flechadas à distância, com ajuda de um propulsor. Tudo aplicado com auxílio de pinceis vegetais ou com os dedos. Predomina o vermelho, ocorrendo em menor proporção o amarelo, o preto, o branco e o cinza. As manifestações mais antigas são também as mais remotas até hoje encontradas no Brasil: 17.000 anos, conforme o método do carbono 14. Na Toca do Baixão das Europas I pode-se ver curiosa representação de três figuras humanas de estaturas diversificadas em canhestra perspectiva, pintadas há cerca de 7.000 anos. Já na arte rupestre de Sete Cidades, cuja idade foi estimada por equipes da Universidade Federal do Piauí entre 6.000 e 4.000 anos, predomina o estilo geométrico, apresentando-se as raras figuras humanas e de animais muito estilizadas e com um mínimo detalhamento anatômico. Aqui, exclusivamente o vermelho é empregado.

Rio Grande do Norte. Ao longo do Vale do Seridó espraiou-se o chamado “Estilo Seridó”, especialmente notável pela impressão de movimento e pela tendência à expressão, visíveis em sua arte rupestre. Pintadas em branco, amarelo alaranjado e vermelho, as figurinhas (de 15 cm e menos) que povoam as pinturas raramente ocorrem isoladas. São geralmente em grupos – caçando, copulando, dançando. A dança está sempre associada a árvores ou a galhos e ramos. Assim, no sítio Xique-XiqueI de Carnaúba dos Dantas, o artista pré-histórico representou com nitidez duas figuras que dançam em torno de uma árvore.

Paraíba. Em sítios pré-históricos como o da Pedra do Ingá – um paredão de 24 metros de extensão por três de altura coberto de petroglifos realçados a vermelho, amarelo, preto e branco – predominam as formas geométricas e padrões simples como pontos, círculos, cruzes e lancetas. Muito raras as formas de animais; mais raras ainda as de seres humanos, umas e outras tratadas num estilo linear abstratizante.

Pernambuco. Dois sítios se destacam: Pedra das Figuras, com representações estilizadas de répteis e emas em vermelho. E Pedra Furada, onde ocorrem figuras humanas e de animais, estilizadas quase até à abstração.

Bahia. Animais, principalmente aves, também muito estilizados, constituem a principal temática da arte rupestre bahiana, em municípios como Lençois e Montalvânia.

Goiás. Nessa região calcula-se que se tenham sucedido 500 gerações humanas. Destacam-se os sítios arqueológicos de Serranópolis e Caiapônia. As pinturas são abundantes, ocupando por vezes extensões que chegam a 80 metros. Em Serranópolis encontram-se pinturas a vermelho, amarelo, preto e branco de seres humanos e animais estáticos, antigas de até 11.000 anos e muitas vezes executadas umas sobre as outras. Aqui alternam-se figuras geométricas, como elipses, círculos, triângulos. Da mesma época podem ser as pinturas rupestres encontradas em Caiapônia – figuras humanas dançando, executando acrobacias, fêmeas com crianças etc., feitas invariavelmente a vermelho ou preto. Motivo comumente encontrado em toda a região sudoeste do Estado é o da ave de asas distendidas, em atitude de alçar vôo.

Minas Gerais. Desde Lagoa Santa, onde já foram estudados mais de 200 sítios com pinturas antigas de até 12.000 anos, descendo em direção sul até ao Paraná, predomina a chamada “Tradição Planalto”: são pinturas animalistas executadas monocromaticamente e se alternando com raras figurações humanas e a padrões geométricos. Na arte rupestre, comumente ocorre que as pinturas mais recentes simplesmente encobrem ou recobrem as mais antigas a ponto de não raro torná-las indecifráveis. Aqui, ao contrário, certas pinturas dão mostras de terem sido várias vezes “restauradas”, de tempos em tempos, por sucessivas gerações. Em Santana do Riacho existe um paredão de 100 metros de extensão recoberto de figuras de peixes e veados, representados sempre juntos. Frequentemente ocorre a estranha figura híbrida de um corpo e cabeça de veado
dotada de pernas em forma de peixe. A “Tradição Planalto” é predominantemente figurativa. Já a “Tradição São Francisco” que se desenvolve ao longo do grande rio, é ao contrário dominada pelo geometrismo, com mínima incidência de formas animais. Na Lapa dos Desenhos em Jantaria, descobriu-se uma singular representação de uma plantação de milho, com palmeiras e uns poucos animais.

Rio Grande do Sul. Apresentando ainda vestígios da monocromia original, quase sempre em preto mas também em verde, branco, castanho e roxo, as incisões de Canhemborá prendem-se à chamada “Tradição Humaitá” (cerca de 3.000 anos atrás). Representam pegadas de aves e mamíferos, além de símbolos sexuais. Já na Pedra Grande em São Pedro do Sul, as incisões foram produzidas desde há cerca de 2.800 anos, sucessivamente por grupos humanos originários de Canhemborá, por indígenas da Tradição Umbu e já bem mais recentemente por Tupiguarani.

DECORAÇÃO

CERÂMICA. Além dos abundantes testemunhos propiciados pela arte rupestre, a pintura pré-histórica brasileira também pode ser estudada pela observação da decoração de objetos cerâmicos, como urnas mortuárias antropomórficas e vários tipos de vasos, tangas cerimoniais etc., destacando-se ao Norte os estilos Marajó e Santarém, o primeiro mostrando ornamentação de frisos estilizados em meandros, padrões geométricos repetitivos, sinuosidades, curvas e contracurvas, executada em vermelho e branco. O segundo mais “barroco” e figurativo, com ornamentação abundante e não raro excessiva de aves, animais e seres humanos policromados. Mais recentes já contemporâneas da chegada dos primeiros europeus, são as cerâmicas Maracá, Aruã e Tupiguarani, também exibindo realces a cor. Na Tupiguarani existem só no interior, permanecendo as paredes externas de vasos e recipientes na cor natural da argila.

Compartilhe este post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *